Como escrever um artigo perfeito? Narrando-o! Entenda como.

Ilustração de um passarinho fofinho falando em um microfone caído no chão e nuvens ao fundo.

Está sem tempo pra ler? Quer descansar um pouco a vista? Então aperte o play e escute este artigo na íntegra!

Todos nós queremos escrever um artigo perfeito, certo? Justamente por isso, existem inúmeros guias na internet com dicas de como se escrever um artigo perfeito. Ainda assim, uma dica de ouro praticamente não recebe destaque no senso comum.

Neste post vamos explicar como a narração do conteúdo te ajuda a escrever um artigo perfeito. Pode parecer estranho, mas pode confiar. Nós narramos 650 artigos no último ano e aprendemos muito com isso. Desde artigos de sites e portais renomados até sites menores, mas de qualidade, passando por blogs que são referência no mercado.

Após tantas narrações, a gente garante: narrar posts te ajuda a escrever artigos perfeitos. Então, vamos ao que interessa?

Se o Viver de Blog recomendou, deve ser dica boa

O famoso blog Viver de Blog possui um artigo bem interessante e completo com 10 regras de ouro para se escrever um artigo perfeito. No meio de um material tão extenso, existe uma dica curtinha mas reforçada:

“Dica #3: Leia em voz alta o texto. (essa dica é matadora)”

Em meio a dezenas de dicas e sugestões, apenas essa recebe o destaque como “dica matadora” e não é à toa.

Por que ler em voz alta?

A ideia de ler em voz alta é simples: lendo um texto em voz alta você não corre o risco de fazer uma leitura dinâmica ao invés de uma revisão detalhada, que é o necessário. Ao ler em voz alta nos forçamos a ir com mais calma e podemos avaliar fatores importantes como a clareza do conteúdo, seu ritmo e fluidez, facilidade de leitura, credibilidade, coesão, entre outros.

Além desses importantes fatores, ao ler em voz alta temos mais chances de pegar erros difíceis de se pegar com a simples leitura. Pela nossa experiência, os erros que mais passam despercebidos pela revisão normal mas que são pegos na leitura em voz alta são:

  • Repetição de palavras – exemplo: “essa é a a dica mais importante”.
  • Erros de digitação – exemplo: “essa é a tapa principal” (no lugar de “tapa” deveria ser “etapa”, mas isso não seria pego como erro de ortografia por programas de computador).
  • Coesão e concordância – exemplo: “que podem ser prejudicial“.

Por que narrar?

Embora o exercício de ler em voz alta ajude bastante, narrar é um passo além e, quando se trata de escrever um artigo perfeito, não devemos poupar esforços. Enquanto ler em voz alta nos força a fazer uma revisão mais cautelosa do que apenas ler, narrar nos coloca mais próximos da sensação que nossos visitantes terão.

Quando falamos de artigos perfeitos, não estamos falando apenas de gramática, ortografia, clareza, fluidez, credibilidade e coesão. Estamos falando também de sensação, emoção e sentimentos.

O seu visitante sabe do que ele gosta. Quando ele consome um conteúdo, ele sabe dizer se gostou ou não. Se achou bom, perfeito ou péssimo. Com o tempo, ele saberá também o quanto tal conteúdo foi marcante e o quanto ficou na sua memória.

E é aqui que a narração brilha.

Emoção e sentimentos são gatilhos de memória

Como o conhecimento popular diz e estudos científicos comprovam, emoções e sentimentos estão ligados à nossa memória. Basicamente, uma forte emoção ou sentimento durante algum evento pode fazer com que você se lembre de tal momento pra sempre. Por outro lado, se um conteúdo te passa boas sensações, você associará essas sensações positivas ao site, autor, empresa etc.

Nessa linha, podemos dizer que um conteúdo que emociona ou remete a sentimentos e sensações positivas tem mais chances de ser lembrado, além de associar boas sensações ao seu site, blog, serviço, produto etc. Ao narrar um texto, podemos avaliar justamente essas emoções e sensações que poderão marcar, ou não, seus visitantes.

Na prática, como funciona?

A ideia de narrar um artigo para escrever um artigo perfeito é ler em voz alta o seu texto com interpretação, respeitando as pausas de pontuação e tentando dar vida ao conteúdo, como se você estivesse dando uma palestra ou conversando com uma pessoa. Pode parecer que não, mas é muito diferente de simplesmente ler em voz alta.

De preferência, narre em um ambiente controlado e silencioso  para você se concentrar e ouvir sua própria narração. Também é importante estar desinibido – lembre-se que você precisa passar emoções!

Ao narrar e nos colocarmos nessa situação imaginária de palestra ou conversa, nos forçamos a interpretar mais o conteúdo, respeitar a pontuação de vírgulas e afins e realmente sentir seu conteúdo e o que seu visitante poderá sentir.

Pode ser um pouco frustrante no início, pois você poderá pegar erros que não pegava antes e terá que parar pra ajustar ou anotar tais erros ou melhorias. Mas é justamente esse pensamento crítico e nível mais elevado de exigência que te ajudará a produzir um artigo perfeito.

Caso esteja inseguro, responda a este quiz para descobrir se você seria um bom narrador amador para essa técnica de revisão.

[BÔNUS] Mate dois problemas de uma vez

Deu pra perceber que um artigo perfeito vai muito além de gramática, ortografia, SEO e redação. O ser humano é inerente a emoções, sentimentos e sensações. Logo, não podemos ignorar tudo isso na hora de escrever um artigo perfeito.

Aproveitando que você irá narrar seus textos, considere gravar tais narrações para publicar junto aos seus textos. Assim como neste post. Pesquisas mostram que mais de 70% das pessoas não consegue ler tudo que gostaria na internet. Então, que tal permitir que elas ouçam seus textos com todas as sensações positivas que você pode passar através da narração?

 

Espero que essas dicas te ajudem a escrever um artigo perfeito e que você possa engajar seus visitantes ainda mais.

Você já narra textos como processo de revisão? Tem alguma outra dica útil e inusitada? Conte pra gente nos comentários!

CEO e cofundador do Vooozer, é apaixonado por ideias, tecnologia, games, cervejas e pela Tuti. Sonha acordado e dormindo com essas coisas e vira e mexe tira algo do papel, esse texto é um exemplo.

Deixe uma resposta